Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

soutodaamor

soutodaamor

Folha 120/366 A 29 de Abril de 1990...

...foi o Dia Mundial da Dança.

Como é hoje, dia 29 de Abril de 2016.

Mas á 26 anos atrás a minha dança foi diferente. “Dancei” durante 8 horas e 20 minutos no piso de Obstetrícia do ULSAM, de Viana do Castelo, dia em que o meu filho nasceu.

Vou-vos contar. Atentos, pois então...

Dei entrada ás 08:00 da manhã.

A bolsa de águas tinha-se rebentado ás 22:00 na noite anterior, mas eu deixei-me ficar muito quietinha na minha caminha. Passei a noite em branco, como podem imaginar. Não tinha dores nenhumas. Mas pensava na criança que tinha dentro de mim.

“Como será?”

“Virá perfeito?”

“Será lindo-lindo ou vai-me sair uma coisa feia?”

“Vou saber cuidar dele?”

“Ele vai gostar de mim?”

Tanta pergunta e nenhuma tinha resposta.

De manhã lá fomos nós. Eu, Maridão, Papá e Mamã. Entrei eu e Maridão, que ficou sempre comigo, até á hora do parto, ao qual assistiu.

Foram 8 horas e 20 minutos de, primeiro, nervosismo, segundo, ansiedade, e só depois as dores.

Com 20 aninhos estava tão “perdida”! Não fazia ideia do que me esperava ou o que iam fazer comigo. Há 26 anos a informação em relação a estes assuntos ainda era bastante escassa.

Depois veio também a sogrinha, que na altura era funcionária do piso de Obstetrícia (quem foi a sortuda, quem foi?!), e que me conseguiu acalmar os nervos em que estava.

A única coisa que eu sabia era fazer a “respiração á cão” quando vinham as contracções!

Lembro-me de ganhar uma animosidade, tão grande, á enfermeira que, de vez em quando, vinha ver a dilatação. Quando lhe sentia os passos, já me contraia toda! Não queria nada aqueles dedos enfiados, vocês sabem onde…

E ás 15:55 dá-me vontade de ir á casa de banho.

“Sogrinha… tenho de ir á casa de banho!”

“Tens a certeza? Pode ser o bebé…”

“Não-não! É mesmo fezes!”

Maridão e sogrinha carregam comigo para o WC. Chego lá e não consigo fazer nada. Levam-me novamente para a cama, e sogrinha sai disparada. Quando regressa vem acompanhada da enfermeira-enfia-dedos, que “tem de me ver” o que significava que lá ia eu abrir pernas, para ela me “analisar”. Nem o fez.

“A cabeça do bebe já se vê! EMBORA!”

E levam-me em braços para a maca-abre-pernas, coisa mais desconfortável e que não lembra a ninguém.

Foram 20 minutos. 20 minutos de:

“Força Ana Sofia!”

“Puxa, Ana Sofia!”

“Na próxima contracção, tem de sair!”

E eu com vontade de mandar calar a Sra. Dra. Obstetra que já me estava a encher as “medidas” todas da paciência!

Finalmente o rapaz lá se decidiu a sair.

Foi logo ali, na hora do nascimento, que Tesourinho me mostrou com o que contar.

Cheio de vontade própria, só saiu quando muito bem entendeu, que eu não estava com nenhuma contracção e estava sem forças para fazer “força”.

E PUF!

Lá veio ele!

Era tão pequenino! Nasceu com 49 cms, pesava 3,730Kgs e vinha sem penugem nenhuma! Não tinha cabelo! O meu bébé nasceu carequinha tal-qual um boneco chorão!

E depois, em vez de mo entregarem logo, não senhora!... Levaram-no para ali, uns 3 metros de mim!

E eu já "Caraças! Mas não me dão o meu filho porquê?!" E eu só via mãos e o meu filho no meio daquelas mãos e vi uma mão que lhe deu uma sapatada e pela primeira vez a voz do meu filho fez-se ouvir! Arrepio-me ainda hoje só de pensar na emoção que foi! Maridão chorava, sogrinha dizia "Ai que lindo!" e eu só me queria levantar. E a médica "... que não! Não pode ser... tem de levar uns pontos e só se levanta daqui a umas horas..." COMO? Desculpe?? E quem trata do meu crio?? Nã Senhora! Eu levanto-me que eu consigo!

Tanta ingenuidade! Dali a minutos apercebi-me que ela tinha razão... e da pior maneira... que quis fazer as coisas como eu bem entendia e quase deixo cair o Tesourinho com as dores.

E pronto... Foi esta a minha “horinha”. Que todas nós, mães, temos de passar. Umas mais, outras menos, a minha foi mais-ó-menos.

Foi á 26 anos.

E garanto-vos que a minha vida nunca mais foi a mesma!

  

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.