Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

soutodaamor

soutodaamor

Folha 85/366 Bruxelas vista por mim... 7

Em 2014 fui a Bruxelas uma vez.

Em 2015 fui duas. Uma em Setembro na companhia da minha Mãe e outra em Dezembro para a passagem do ano com o Maridão.

Para quem não sabe, o meu filho é emigrante lá.

A diferença da cidade das duas primeiras visitas para a ultima, deixou-me chocada.

Em 2014 e em Setembro a cidade brilhava com tanto turista, ouvia-se o som de risos, de falas de vários idiomas, notava-se uma descontracção total e absoluta.

Em Novembro acontece o que acontece em Paris.

E, apesar de já saber como estava a cidade na altura, chegar lá, passado um mês, e ver com os meus olhos, acreditem que me deicou chocada.

A "imagem" que eu tinha da cidade mudou, mal percorremos de autocarro o caminho do aeroporto de Zaventem para a cidade. 

Uma cidade que é linda e não precisa de cartão de visita, estar com policiamento, tropas de intervenção, tanques de guerra e outros afins, é algo que não condiz.

Aquelas ruas de museus sempre com movimento, aqueles parques pejados de gente, aqueles fins de tarde onde os Belgas fazem questão de sair do trabalho e ir "beber um copo"... tudo isso deu lugar a ruas de museus com meia duzia de pessoas e muito tanque de guerra. Parques praticamente vazios e muito policiamento. Fins de tarde onde os Belga passaram a preferir sair do trabalho e ir para casa.

E não! Não era por estarmos em Dezembro. O povo Belga, e por consequência quem lá vive, é povo que gosta de sair. De se divertir. Valorizam a vida na forma de "a viver", e para eles Inverno não é impeditivo de viver a vida.

Notava-se qualquer coisa no ar.

Não diria medo. Chamar-lhe-ia cautela.

Enquanto passeavamos, em Dezembro, pela cidade, ouvia-se sirenes constantemente, viamos carros da policia em corridas (quase) loucas.

Assistimos, ao vivo e a cores, a troca de tiros que, viemos a saber mais tarde e através dos canais televisivos, tinham ocorrido aquando da detenção de suspeitos ligados ao Abdeslam. 

Passei o final do ano numa cidade em estado de sitio. Fizemos a nossa passagem do ano fechados em casa (se bem se lembram as festividades foram todas canceladas com a eminência de um ataque terrorista), para no dia a seguir, nós, e toda Bruxelas, vir a saber que "eles", os que moram em Molenbeek, fizeram uma festa de arromba. Lá, ninguem anulou festa nenhuma. Houve concertos, foguetes e tudo a que se tem direito numa passagem de ano.

E ontem, foi o que foi.

Vivido a 2000 Km de distância, como se estivessemos lá.

Posso-vos dizer que num só dia passei pelo terror, pânico e susto. É dose, Pessoas.

Hoje estou prostrada. Sinto-me cansada.

E revoltada.

É hora de se fazer alguma coisa.

"Meninos" que vão durante um ano para a Síria e regressam, sem ninguem querer saber o que lá foram fazer?? NÃO PODE!

Fronteiras abertas?? NÃO PODE!

"Eles" não vão parar. Estão convictos daquilo que fazem e não há Ala que os convença do contrário.

Quem tem "poder" para os parar, o que faz?

NADA!

A não ser lamentar as vitimas e chorar os mortos.

BASTA!

TEM DE BASTAR!

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.