Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

soutodaamor

soutodaamor

A situação mais recente em que dei um elogio a alguem

Eu sou de elogiar!

Se se entender por elogio, o facto de eu gostar de incentivar, então eu sou de elogiar!

Porque a expressão “MUITO BEM!” já é um elogio, certo?

Eu acho!

E digo com muita frequência.

“BOA!”

“FIZESTE TU MUITO BEM!”

“FORÇA NISSO!”

“OLHA QUE BEM! CONTINUA!”

Tudo frases que eu verbalizo constantemente.

Sem esforço. Saiem-me e são sinceras.

E nunca pensei nisto. E muito menos como um elogio.

Mas o meu Sapinho do coração desafia-me.

E dei comigo a pensar… “Olha! Eu até elogio constantemente…”

Então, o ultimo foi ontem.

A um colega de trabalho.

Mocito dos seus 27 aninhos.

E que participou este fim-de-semana no II Triatlo Longo de Caminha.

Mocito que, em 18 meses, perdeu 20 kgs… 19 vá!...

Que se iniciou nestas andanças há 6 meses.

E eu elogiei.

E dei parabéns.

E bati palmas quando ele passou á minha frente no Domingo, a correr todo janota.

E vibro com estas coisas.

E acho que é para:

“DANTAS! PARABENS CARAGO! ÉS GRANDE CAMPEÃO!”

 

 

(Pronto é publico e nem pedi autorização. Já tá-já tá!)

Cenas de FDS

FDS deverá ser entendido como FIM-DE-SEMANA, ok?!

Não vá alguém pensar que é de “foda-se”.

Suas mentes depravadas.

 

Então…

1ª “Cena de FDS”

 

Adoro esplanadas.

Mas quando temos uma amostra de cão, sentado ao colo da dona, a ladrar constantemente, a esplanada passa a não ter graça NE-NHU-MA!!!

 

Coisas estranhas que acontecem porque EU as provoco #2

Hoje, como habitualmente ao sábado, fui às compras prá semana.

Amor faz as compritas aí numa grande superfície.

E já se começa a ver new people in tha house. O que daqui a uns dias vai dar novo post…

Well…

Então, hoje Amor foi ás compritas.

No fim, e ao levar as ditas pró pópó, cheirou-lhe a franguinho assado.

E apesar de já ter o almoço em modos que quase pronto, Amor tem umas narinas sensíveis. E gulosas. E junto com as narinas tremelicosas, os palatos da Amor começaram a salivar.

Pois é!

Amor faz-se ao frango assado.

Ora agora um pormenor relevante.

No local de compra do coiso assado, vende-se também bolitos e cafezitos e chazitos e tudo que um cafezito põe á disposição do cliente. Para isto tudo o atendimento é feito em fila única. Mas sem cartaz. Não há aviso nenhum que diga que a fila é única. Ora prá new people in tha house, (que não sabem né?!) o mais natural é chegar e colar-se ao balcão. E não sabem porque lá está, são news, e não há cartaz informativo. E depois são os old tha house que tem de avisar… passe lá pra trás oh faz favor.

Fiz-me entender?!

Ok então.

Amor é a próxima a ser atendida.

E chega um mocito e cola o barrigão ao balcão… e começa:

“Ppssst-ppssst! Olhe era um pingo!”

………

“Ppssst-ppssst! Olhe era um pingo!”

Amor:

(tocando-lhe com o dedo indicador da mão direita no antebraço: tap-tap) “Desculpe! A fila é única. Terá de vir para trás de mim.” E sorrio. Porque hoje até estava de boa catadura.

Mocito com barrigão olha pra mim.

“Ai sim??!! Mas eu não quero bolos. Só quero um pingo.”

“Pois! Acredito que sim. Mas a fila é única… Eu estou aqui para um frango assado.”

E atrás de mim:

“Ai sim? Mas aqui não há aviso nenhum…”

(Dito por um senhor todo janota e com a cara igualziiiiiiiinhaaaaaaaaaa ao mocito com barrigão. Pai e filho portanto.)

“Tem toda a razão. Mas nós já estamos habituados a informar os clientes que não são de cá e a coisa resolve-se” eu, sorrindo.

Entretanto peço o que tinha a pedir. E a conversa começa a envolver mais pessoas.

Pessoas que começam a criticar o serviço.

“Pois é… aqui não há aviso.”

“O serviço aqui é muito lento…”

“Isto aqui temos que nos pôr finos…”

E ré-pé-péu, ré-pé-péu, ré-pé-péu …

Entretanto pai e filho iguaiiiiiiiziiiiiiiinhos, exceto no barrigão, passam para trás de mim.

E estavam um bocado perdidos no meio das opiniões.

E quando o atendedor de clientes me vem entregar o coiso eu:

“Olhe! Eu tenho de fazer uma sugestão. Vocês deveriam colocar aqui um cartaz informativo de “FILA ÚNICA”.”

“Ah sim! Mas nós já avisamos os clientes!”

E o senhor janota:

“Avisam nada que quem nos avisou foi esta menina!”

(reparem que fui tratada por ME-NI-NA…)

“Sim… mas quando nos apercebemos nós avisamos os clientes.”

(no meio disto tudo Amor já tinha pago… já estava pronta para se vir embora, portanto.)

“Avisam nada!!! Que ainda noutro dia se não me ponho fina passava-me um á frente” (1ª voz feminina e semi-histérica atrás de mocito com barrigão)

“Avisam o tanas é que avisam! NÓS clientes é que avisamos os outros que senão somos levados por lorpas” (2ª voz feminina)

“O serviço aqui é uma porcaria pah! Vocês são uns lentos pah! Nós aqui esperamos ½ hora por um café pah!” (3ª voz, mas masculina)

E a coisa descambou!

E Amor, que já estava pronta para se vir embora, veio mesmo!

Não fosse ser acusada de provocar o motim que ali se gerou.

 

P.S.- Não se esqueçam que eu fui tratada por Menina, ok?! Abracinho Apertadinho Senhor Todo Janota!

 

 

 

 

Se eu fosse...

… um mês seria Dezembro. Natal, sabem? Gosto tanto e tanto que nem sei!
… um dia da semana seria a sexta-feira. Porque é o final da semana, porque antecede os 2 melhores dias da dita e porque é o dia em que tudo não tem a mínima importância.
… uma flor seria um malmequer gIgAnTeEeE. Gosto daquele amarelo-sol, pronto!
… uma direcção seria sempre em frente. Que é por onde se tem de ir.

… um móvel seria uma chaise-longue. Tão bom para as sestas de domingo!

… um líquido seria água. Pura e cristalina.

… um pecado seria para minha grande desgraça a gula. E sim! Incomoda-me…  

… uma pedra seria um seixinho, pequenino, redondinho e achatadinho. Sei lá porquê!!!

… um metal seria ferro. Puro e duro!

… uma árvore seria um limoeiro. Porque, lá está, gosto daquele amarelo!

… uma fruta seria um moranguinho docinho. E nem preciso de justificar, né?!
… um clima seria um dia de sol, com calor ameno. Para pôr toda a gente bem disposta!

… um instrumento musical seria um pandeiro brasileiro. Aquele ritmo brejeiro mexe comigo!
… um elemento seria oxigénio. Porque é essencial á vida.

… uma cor seria amarelo. Que raio pah! Gosto e então?!
… um animal seria um gato persa supermegahiper fofinho!
… um som seria o riso de uma criança. Gosto tanto!
… uma canção seria qualquer uma que pusesse toda a gente a dançar. Mais uma que eu nem preciso de justificar, right?!
… um perfume seria qualquer um que ficasse nas narinas alheias. Forte e com presença.

… um sentimento seria afectividade. Porque é um sentimento que gera auto-estima. E eu gosto disso.
… um livro seria qualquer um que contasse uma experiência de vida. Daquelas que chegamos á conclusão que somos assim pró parvo só porque nos queixamos de quase tudo.
… uma comida seria um waffle com CHO-COO-LAAA-TEEEE. Vá-se lá saber porquê!!!
… um cheiro seria relva acabadinha de cortar ou terra molhada. Hhhhhhhmmmmmmm!

… um verbo seria Ter. Amor para dar, alegria para partilhar, saúde para vender…
… um objecto seria uma caneta/lápis/lapiseira... Tudo o que escreva pronto!
… uma peça de roupa seria um pijama fofinho e quentinho.
… uma parte do corpo seria o olho. Registando tudo o que me rodeia!
… uma expressão seria tantas! Todas á la portuguaise! Todas-todas com asneiras pelo meio. E portanto não digo que é para nem ferir olhinhos mais sensíveis.

… um desenho animado seria o Garfield. Gosto de gatos! E gosto da ideia de um animal doméstico armado em “dono da casa”!

… um filme seria qualquer um baseado em factos verídicos. Assim com’os livros, tão a ver?

… uma forma seria um círculo. Não há cá arestas, é redondinho e foi o 1º que me veio á cabeça!
… uma estação seria a Primavera. Nasce tudo não é?!

E isto, muito provavelmente, não interessa nadinha-nadinha! Mas caiu-me no colo e apeteceu-me!

SIGAAA

Sou fã incondicional de gente que se ama.

Gente que sabe o que quer.

Gente que não se perde porque os outros não concordam.

Gente cujo caminho traçado é em frente.

Sempre em frente.

Caiem, levantam-se e SIIIGGAAAA!

Gente que ouvem 1000 nãos. Mas tendo a certeza numa coisa é isso que conta.

Batem com a carola.

Erram.

Pedem desculpa.

Assumem.

Mas SIIIIGGGAAAA!

Não lamuriam.

Não usam o mi-mi-mi de pena deles próprios.

É em frente.

Sempre.

Sou fã.

Incondicional.

E esta frase que hoje li fez o meu dia.

“AMA-TE, AMARÁS TUDO O QUE TE RODEIA IMEDIATAMENTE A SEGUIR!”

Tão isto.

Mas tão-tão isto.

Gustavo Santos OBRIGADA!

Amor e as pragas

Ora bem!

Quando Amor solta pragas não é lá muito bom sinal.

As pragas para mim é como o ditado “pragas com razão nem ao rabo do meu cão”.

E hoje roguei!

MUITAS!!!

Mas a espumar e tudo!

Querem que eu conte?

NÃÃÃÃOOOO???!!!

Ok! Eu conto!

08:45 da matina.

Amor a conduzir para seu trabalhinho que, com a Graça de Deus Nosso Senhor, tenho.

Ora, no percurso até ao local de trabalho, existe uma ponte que atravessa o Rio Minho.

Nessa ponte cabem, lado a lado, 2 veículos automóveis. Um para sentido norte e o outro para sentido sul. Não cabe mai nadinha!

Pronto… conseguem visualizar a estreiteza da ponte?

Então…

Amor vai em sentido sul-norte…

E em sentido norte-sul deparasse-lhe o seguinte:

DOIS! 2! D.O.I.S! atentem bem…

DOIS veículos lado a lado em despique de velocidade. Numa de street race. Um todo artilhado e o outro nem por isso mas topo de gama. Um branco e o outro preto (os carros, ok??!!) A 1589 km/hora! E nem me contradigam qu’eu é que sei! Eu é que estava lá!

Ora o que é que Amor faz???

Nada…

A não ser congelar!

“O que é isto???”

“AI CA FILHOS DE MERETRIZ!!!”

“OH PAH!!!”

(isto em altos berros, sozinha, no seu popó, que coitadinho tremia tanto como a condutora…)

E por fim Amor travou… mas tanto-tanto que acho que gastei 1/3 dos pneus…

E o preto pôs-se atrás do branco…

E seguiram a 1570 km/hora… (desaceleraram, viram?!)

Numa de street race.

Em despique de velocidade.

Comecei bem o dia!

Roguei pragas!

A espumar e tudo!!!

 

(E entretanto, já andei á procura de noticias acerca de dois veículos acidentados contra um pinheiro com os condutores empalados no mesmo, ou incendiados com os condutores carbonizados, ou caídos numa ravina com os condutores decapitados… mas não encontrei nada).

 

 

 

 

 

Eu... ao natural 6

 

Já aqui me auto-identifiquei como a maluquinha dos treinos... salto, grito, esbracejo, engano-me, volto atrás e recomponho-me, destilo-me total e absolutamente, chamo pelas colegas, bato palmas e volto a gritar, fico descabelada, suada, a cheirar mal e volto a gritar... Enfim!

Porque o faço?

Por mim, ora!

E por mim, vale tudo!

Até as tristes figuras...

 

Pág. 3/3